A data de 20 de novembro marca o Dia Nacional da Consciência Negra. Para o deputado estadual Durval Ângelo (PT), presidente da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia, nos últimos 10 anos, muito se avançou no combate a discriminação racial e na implantação de políticas de inclusão social . O parlamentar destaca a Lei 12.711/12, conhecida como Lei de Cotas, como um marco importante desta política.

“ Por meio das ações afirmativas de combate à discriminação racial, notadamente nos últimos 10 anos, o Brasil tenta resgatar as raízes de nosso povo e, ao mesmo tempo, induzir transformações culturais, implantar a diversidade e ampliar a representatividade dos grupos minoritários em todos os setores da sociedade. Entre os momentos significativos desta transformação estão a Lei de Cotas e a crianção pelo Governo Federal da Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial”, afirma o deputado.

Para Durval, há muito o que se avançar também, principalmente quanto a políticas de prevenção ao genocídio da juventude negra no Brasil. Dados preocupantes revelam que, a cada duas horas, sete jovens negros são assassinados no país. Os dados fazem parte do Mapa da Violência, pesquisa realizada pelo sociólogo Julio Jacobo Weiselfisz, baseada em dados oficiais do Sistema de Informações de Mortalidade do Ministério da Saúde.

De acordo com a pesquisa, são 82 jovens mortos por dia, 30 mil por ano, todos com idades de 15 a 29 anos. Entre os jovens assassinados, 77% são negros, e 93,30% deles são do sexo masculino, moradores das periferias e áreas metropolitanas dos centros urbanos. “ Impossível não se preocupar com as estatísticas, precisamos fazer um trabalho de educação contra os autos de resistência e encarar o problema das drogas”, reforçou.