Depois de meses de obstrução dos trabalhos por parte da oposição, o Plenário da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) retomou as votações, apreciando dois dos 18 vetos do governador que travavam a pauta. Foram mantidos vetos a projetos de deputados acerca dos quais não havia grande divergência entre os parlamentares. “Nossa expectativa é de que possamos votar os demais o mais breve possível, para que possamos levar a Plenário proposições importantes do Executivo que visam dar fôlego financeiro ao Estado”, destacou o deputado Durval Ângelo.
Um dos vetos mantidos hoje foi ao projeto que dava ao prédio do Ministério Público Estadual na cidade de Ouro Fino (Sul de Minas) o nome Edifício Procurador Carlos Henrique Fleming Ceccon. Como relator, Durval Ângelo esclareceu que o imóvel pertence ao Ministério Público, a quem caberia propor projeto de tal natureza. A outra matéria. parcialmente vetada, trata da comercialização e armazenamento de agrotóxicos e afins. Durval Ângelo também foi o relator desta matéria, na qual argumentou já existir legislação estadual que trata do tema.