Na última sexta-feira (29), o líder do Governo na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), deputado Durval Ângelo (PT), lançou seu novo livro: Herança Maldita – O desgoverno tucano em Minas”. A obra foi lançada na abertura do 5º Congresso do PT – Etapa Estadual João Mendes e contou com a presença de diversas lideranças do partido.

Com o livro, que tem prefácio do governador Fernando Pimentel, Durval busca demonstrar que os 12 anos do governo do PSDB em Minas resultaram em um grande retrocesso para o Estado, em diferentes âmbitos, como econômico, social, de infraestrutura e do patrimônio público.

Ao longo das 144 páginas que compõem a publicação, o parlamentar resgata denúncias, processos e escândalos que envolveram o governo, de 2003 a 2014, sobretudo nas gestões de Aécio Neves e Antonio Anastasia. A partir deles, se propõe a apresentar a verdade por trás das massivas propagandas da gestão tucana que, como afirma, criaram uma “Minas da fantasia”.

Entre as políticas desconstruídas pelo autor estão o Choque de Gestão e o Deficit Zero: “Não passaram de uma farsa, sustentada pela propaganda e até por manobras contábeis”, afirma. Durval Ângelo também aborda os resultados desastrosos dos programas de Aécio/Anastasia, que culminaram no arrocho salarial dos servidores e na falta de investimentos nos serviços públicos”.

O livro apresenta, ainda, novas denúncias de irregularidades, que somente começaram a vir à tona após a mudança de governo. Uma delas refere-se a obra realizada pela Cemig na cidade de Cláudio, ao lado da fazenda dos parentes do senador Aécio Neves. A empresa, por sinal, é citada em várias passagens, na perspectiva de que, em diferentes situações, foi usada para atender a interesses partidários e de empresários.

Na sexta-feira, o deputado Durval Ângelo também apresentou o livro em coletiva com a imprensa, na Assembleia. Na ocasião, o parlamentar afirmou que a publicação é uma prestação de contas do seu trabalho. “ Durante os 12 anos do governo do PSDB fui presidente da Comissão de Direitos Humanos, onde pude acompanhar de perto as mazelas causadas por essa administração. Por isso, a farsa que relato neste livro é também uma prestação de contas do trabalho que realizei no Poder Legislativo, seja como presidente da Comissão, seja no embate em plenário”, afirmou.

Segundo Durval Ângelo, as denúncias abordadas no livro são fruto de uma ampla pesquisa na imprensa e nas atas de reuniões da Assembleia.

O voo do tucano

Herança Maldita: o desgoverno tucano em Minas é, de certa forma, uma continuação do livro O voo do tucano, publicado por Durval Ângelo em 1999, ao fim da primeira gestão tucana em Minas Gerais (1995-1998). Nele, o autor abordou irregularidades e temeridades cometidas pelo governo de Eduardo Azeredo (PSDB). A obra trouxe a público diversos erros daquele governo e serviu de referência, inclusive, para investigações futuras, no processo do chamado “Mensalão Tucano”.